fbpx
Dados abertos e o desafio para a democracia

Dados abertos: extração e os desafios para a democracia

As demandas sobre os dados abertos

Com as constantes transformações que ocorrem no mundo contemporâneo, a sociedade também vem trazendo novas demandas. Exigências relacionadas a uma maior transparência e participação na gestão dos recursos públicos.

Uma estratégia de disponibilização de informações que está sendo utilizada pelos governos desde a primeira década deste século para atender a essa demanda são os chamados dados abertos.

Mas afinal, o que são dados abertos e por que extrair esses dados?

Dados abertos significam a disponibilização de informações na internet de forma que sejam reutilizáveis para terceiros. A extração desses dados consiste na identificação, importação, organização e exportação de informações que passarão a compor um sistema.

Quando são inseridos no contexto público, em governos, recebem a denominação de dados governamentais abertos (ou DGA).

A princípio, os principais objetivos da implementação dos dados governamentais abertos são para fins de maior transparência e controle das ações governamentais, mas as vantagens não param por aí!

De acordo com os resultados de países que já disponibilizam o acesso aos dados abertos, eles têm se mostrado capazes de produzir não só mudanças significativas no setor público com uma maior promoção da cidadania, como também de contribuir com a geração de inovação e empreendedorismo na sociedade.

Leia mais sobre o assunto na matéria da Forbes sobre a importância dos dados abertos na luta contra a Covid-19 e no mundo pós-pandemia.

Vantagens dos dados abertos na sociedade

A extração de dados governamentais promove, pela primeira vez, a possibilidade da sociedade criar produtos e serviços que sejam úteis tanto para ela mesma quanto para os governos, o que mostra outra vantagem no âmbito econômico.

Nesse campo econômico, as potencialidades dessa nova iniciativa ainda não foram totalmente mensuradas, porém, com base em algumas projeções, estimam que com a abrangência nas áreas de educação, transportes, saúde, finanças, combustíveis entre outras, os dados abertos têm a potencialidade de fomentar três trilhões de dólares na economia global anualmente.

Esse projeto de dados governamentais abertos ainda é um tema precoce no Brasil, porém já se mostra muito promissor, vislumbrando resultados bastante inovadores em diversas áreas da sociedade.

Dados abertos: os governos também usam

A utilização de dados abertos pelos governos é um fenômeno relativamente recente, que se intensificou nos últimos anos com a evolução da tecnologia e a crescente demanda por transparência e prestação de contas.

A primeira iniciativa governamental para a disponibilização de dados abertos foi lançada em 2004, com a criação do portal Data.gov, nos Estados Unidos. A partir daí, diversos países adotaram políticas de transparência e acesso à informação, incentivando a abertura de dados governamentais para o uso público.

No Brasil, a Lei de Acesso à Informação, de 2011, foi um marco importante na promoção da transparência e do acesso à informação, incluindo a disponibilização de dados governamentais em formato aberto. Desde então, diversas iniciativas de dados abertos foram lançadas em nível federal, estadual e municipal.

No entanto, é importante ressaltar que a adoção de políticas de dados abertos pelos governos ainda é um processo em desenvolvimento, e muitos desafios ainda precisam ser enfrentados para garantir a efetiva abertura e utilização dos dados públicos.

Agora você já sabe o que são dados abertos e todas as suas vantagens para a democracia e outros vários campos!

Quer se aprofundar no tema de sobre sobre o Big Data ou como ele ter um impacto positivo para a gestão pública do Brasil no século XXI, então não deixe de visitar esta página.
Compartilhar

Sobre o autor

Maria Eduarda Araujo

Maria Eduarda Araujo

Consultora da Publicae Consultoria Júnior e graduanda em Gestão de Políticas Públicas na Universidade de Brasília.